sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Memórias de um cantinho chinês

Agosto foi embora. Um mês que é sinónimo de férias e alvo de desejo no mundo ocidental, por isso. No mundo chinês é um mês, no qual se diz que não é boa altura para viajar ou fazer negócios. No querido mês de Agosto, nas tradições chinesas celebra-se o Festival dos Espíritos Esfomeados. A cultura chinesa vive próxima com os seus antepassados, que se vê na forma como celebram os seus mortos.
A 13 de Agosto os vivos pedem descanso para os espíritos. Neste período as almas vêm a este mundo de férias e têm comida de borla. Queima-se tudo o possa ser feito em papel, desde papelinhos coloridos, a dinheiro falso. Tudo o que se pense ser útil ao seu antepassado. E incenso, muito incenso. As ruas enchem de caixas metálicas que não param de arder e de pratos de comida fartos, com bebidas a condizer.
Na crença chinesa pensa-se que o que se faz aos antepassados, eventualmente, poderá repercutir-se em vida. Por isso, há que tratá-los bem, dando-lhes na morte o que eles precisam “no outro mundo”.
A comunidade chinesa está enraizada na cultura de muitos dos povos da Ásia e o Cambodja é, sem dúvidas um deles. Há uma mistura grande, desde cruzamentos genéticos de gerações, a comida com aspecto chinês e sabor khmer.
Assim sendo, no Cambodja celebrou-se o Festival dos Espíritos Famintos. Linda voltou à China e sentiu saudades.
- No caminho para o trabalho comecei a ver aqueles recipientes metálicos a fumegar, o cheiro de papel arder, os pedaços de cinza a dissolverem-se no ar e o acender de incenso - fizeram-me regressar à China. Senti casa...
O continente chinês é feito de tudo aquilo está à vista, mas na cabeça de Linda tem uma parte que apenas se pode sentir.
- Gosto de chineses. Quando estava em Macau, às vezes, só me apetecia bater-lhes, agora sinto falta deles – disse-me sorrindo.
Em Macau há um cantinho chinês, que conquistou a nossa personagem. Apesar de toda a rudeza do povo, a dedicação quando se tornam amigos, encobre tudo o que possa ser negativo. No filme de Linda George há personagens chinesas que não sabem kung fu, que conseguem dizer os “erres”, que sabem falar inglês e que têm sonhos iguais a toda a gente.
O povo chinês é mecanizado, não está programado para pensar. Está preparado para actuar, mas não para agir e muito menos reagir. Neste povo, tal como todos os outros, há chineses de mente aberta, que querem saber mais do mundo- os da China Continental são os mais curiosos. Na China há máfia, há pobreza, há muita riqueza e ostentação, há uma cultura rígida a seguir.
Linda conheceu chineses que transformam tudo isto, numa filosofia fácil de viver. A sua preparação para trabalhar, a vontade e o à-vontade em fazer negócios e o respeito pela sua cultura leva-os a cumprir todos os objectivos traçados, mas a curiosidade fá-los abrir a novos mundos. E todos ficam felizes.
A nossa personagem viajou até a uma vila da China, na província de Cantão. Uns dias de descanso num spa no meio de verde, levaram-na à vila da família de uma das amigas que a acompanhava. A recessão não podia ter sido melhor.
- Fui recebida pelas mulheres da família. O homem estava sentado numa cadeira feita de um tronco, a comandar uma rodada de chá. A mesa de madeira também, muito típica na China, feita para fazer o chá.
As mulheres encheram Linda de comida. Um dos pratos, não se lembra o nome, era um prato muito típico para pós parto. Famoso entre as mulheres, a cozedura é longa e o aspecto estranho. O sabor Linda descreve como indescritível.
- Lembro-me de ter uns ovos muito negros e um sabor que não sei se era avinagrado ou doce. Não sei dizer em palavras.
Apesar do mau sabor, o resto da comida era boa, acompanhada por um chá de boa casta. Depois de barriga cheia, Linda teve direito a uma visita à casa. O que é um direito, porque um chinês, regra geral, sequer convida para entrar.
- Senti-me perdida na China. Rodeada de locais, que conversavam, viam televisão... e eu ali no meio, a comer e a beber sem perceber nada do que estava a passar à minha volta.
Mais de uma ano depois a família ainda se lembra de Linda. A amiga disse-lhe que tinham perguntado por ela. A nossa personagem inflamou e suspirou.
- O meu cantinho chinês.



*A 5 de Outubro, comemora-se o Culto aos Antepassados ou Chung Yeung. Um dos mais importantes eventos no calendário chinês, é a altura em que as famílias se reúnem, subindo aos montes, depois de uma visita e de terem rezado junto às sepulturas dos seus antepassados.

Na Festa dos Espíritos Esfomeados e no Culto aos Antepassados ou mesmo o Festival Quingming - a 5 de Abril - a comunidade dedica-se aos mortos.